Volkswagen

Volkswagen Kombi


Postada em 22/02/2019 às 12:11
Por Hotwheelscollection


Após a Segunda Guerra Mundial, a Volkswagen criou um Van / Camper que assumiu muitos nomes e foi produzido em vários países para diferentes mercados. Devido a esse fato teve vários nomes como: Eurovan, Microbus, Westfalia Camper, Panel Van, Kombi, Samba, Pick-up, Westy, Multivan, Weekender, Splittie, 11-window, 13-window, 15-window, 21-window, 23-window, Breadloaf, Bay-Window, Vanagon, VW Bus, Bully e a lista continua. Durante os anos tem havido muita experimentação com este veículo para incluir camas , acessórios para campistas, transportes de diferentes tipos de cargas, etc. Este veículo, em todas as suas muitas facetas, teve uma simpatia desde o seu início e tornou-se um símbolo da contracultura por muitas gerações. Sua forma utilitária o tornou adequado para muitos cenários e seu baixo custo tornou economicamente viável.

O nome Kombi vem do alemão Kombinationsfahrzeug que quer dizer "veículo combinado" (ou "veículo multi-uso", em uma tradução mais livre). O conceito por trás da Kombi surgiu no final dos anos 1940, ideia do importador holandês Ben Pon, que anotou em sua agenda desenhos de um tipo de veículo inédito até então, baseando-se em uma perua feita sobre o chassi do Fusca.

 

Veículo que serviu de inspiração para o design do VW Typw 2 - Kombi

 


O Volkswagen Transporter (Type 2) foi lançado no Salão do Automóvel de Genebra de 1949 e nos 64 anos que se seguiram, mais de nove milhões foram construídos. O veículo compartilhava o motor refrigerado a ar do Fusca e podia ser operado com combustível de baixa qualidade.
O Volkswagen Type 2 foi introduzido em 1950 e foi a segunda linha de produção de veículos lançados pela Volkswagen. O primeiro modelo foi o Fusca Tipo 1. A idéia para o Type 2 veio do importador holandês da Volkswagen chamado Ben Pon, que criou os projetos em 1947. Muitas das deficiências aerodinâmicas dos veículos foram resolvidas em um túnel de vento na Universidade Técnica de Braunschweig. Três anos depois, o Type 2 começou a deixar a fábrica de Wolfsburg.

O Tipo 2 foi produzido de 8 de março de 1950 a 31 de dezembro 2013. O término em 2002 da produção do seu sucessor T3 na África do Sul, marcou o fim da era do Volkswagens de motor traseiro, que se originou em 1935 com seus protótipos Tipo 1 com muitas variações ao longo do caminho.
Havia várias versões do Tipo 2 construídas, como T1, T2 e T3, para citar algumas. É aqui que as coisas ficam um pouco confusas. O Tipo 2 T1 foi produzido de 1950 a 1967 e foi substituído pelo Tipo 2 T2, que começou a ser produzido em 1968 e continuou em produção até 1979. A produção no México continuou em 1980 do T2 e depois no Brasil em 1996. Versões produzidas anteriormente a 1971 são referidos como o T2a enquanto aqueles produzidos depois de 1972 são etiquetados T2b. O Type 2 T3 foi introduzido em 1979 e produzido até 1991. Há muitas exceções dentro desses esquemas de nomenclatura com muitos nomes alternativos.
Inicialmente, os estilos de carroceria estavam disponíveis como cabines únicas, mas devido à demanda do público, 550 modelos de cabine dupla foram construídos pela Binz de 1955 a 1959. As modificações na cabine dupla incluíram encurtar a área de carga para 1,5 m e instalar uma cabine de três assentos. Em 1959, a Volkswagen começou a fabricar seu próprio modelo de cabine dupla.

 


O Tipo 2 cumpria muitas funções e podia ser comprado dos revendedores da Volkswagen como uma van refrigerada para transporte de cargas perecíveis, carros funerários, ambulâncias, furgões policiais, carros de bombeiros entre outras. Versões de acampamento estavam disponíveis através da Westfalia, o nome oficial é Westfalia-werke Wieddndruck. A Volkswagen contratou a Westfalia para construir carros Camper no início dos anos 1950 e permaneceu em produção até 2003. Outros construtores de carrocerias criaram versões campistas do Tipo 2, como Dormobile, VW Riviera e VW Sun-Dial.


Westfalia Camper

De 1951 a 1958, a Westfalia criou cerca de 1.000 conversões da Camper Box. Após 1958, os modelos SO foram introduzidos. SO era a sigla para “sonderausfuhrungen” significando Modelo Especial. Pacotes de opções estavam disponíveis nos modelos de SO, como SO-16, SO-23, SO-34, SO-35, SO-33, SO-42, SO-44 e SO-45. O SO-23 foi produzido de 1959 a 1961. O SO-34 e o SO-35 estavam disponíveis de 1961 a 1965. O SO-34 era um interior branco laminado, enquanto o SO-35 era um interior de madeira acabado.
O equipamento padrão para o Westaflia Campers incluía conexões elétricas, cortinas, persianas, janelas blindadas, mesa dobrável laminada, painéis internos de compensado de bétula, caixa de gelo ou caixa térmica e armários laminados. Alguns modelos chegaram equipados com uma pia como equipamento padrão. Como opcional era possível incluir um teto elevado, tenda, toldos laterais, fogão de campismo, cama de criança para dormir, equipamentos de camping e banheiro químico portátil, para citar alguns.
Com muitos miltares americanos servindo na Alemanha durante as décadas de 1950 e 1960, muitos foram comprados e trazidos de volta para os Estados Unidos. Isso contribuiu para o VW Type 2 tornar-se popular com a contracultura da década de 1960, graças à sua capacidade de transportar um grande grupo de pessoas enquanto era barato e fácil de manter. Seu design era simples, mas espaçoso, graças em grande parte ao motor montado na traseira. O furgão tornou-se popular entre os jovens porque permitia a um grupo viajar confortavelmente e era grande o suficiente para viver, de modo que podia ser usado para viagens de longa distância, como festivais de música ou locais de surfe. Contrastava nitidamente com os grandes e baixos sedãs que eram moda na época, dando ao furgão uma imagem alternativa e rebelde. As vans eram frequentemente pintadas com desenhos extravagantes em cores vivas, fazendo com que elas se destacassem ainda mais na estrada.

 


Tipo 2 T1

O Volkswagen Type 2 T1 foi produzido inicialmente com para-brisas dividido. É comumente conhecido como o Splittie, Barndoor, Kombi, Bus e o Microbus. A produção começou no início de março de 1950 e durou até 1967. De 1950 a 1956, foi produzida em Wolfsburg. Depois de 1956, foi produzido em Hanover. Versões criadas até 1955 eram conhecidas como T1a. Estas versões são frequentemente chamadas de versões 'Barndoor' devido à sua grande tampa traseira do motor. O T1b foi produzido entre 1955 e 1963. Essas versões tinham uma tampa menor do motor e rodas menores de 15 polegadas. O T1c foi introduzido em 1963 e produzido até 1967. Essas versões tinham uma porta traseira mais ampla.
O modelo padrão tinha 11 janelas. Modelos de luxo tinham 15 janelas. As versões de teto solar de luxo tinham oito clarabóias e são conhecidas como as 23 janelas. Uma versão de 13 e 21 janelas foi produzida a partir de 1963.
O tipo 2 T1 foi alimentado por um motor boxer de quatro cilindros refrigerado a ar montado na traseira do veículo. Isso fez com que o ruído e a fumaça do motor quase não existissem para o motorista e o passageiro da frente. A unidade de 1,2 litros produziu uma modesta potência de 25 cavalos e foi capaz de transportar a Van em velocidades de rodovia. Aumentar a potência e a velocidade foi um desafio devido as dificuldades técnicas encontradas no projeto. Em 1955, o motor foi modificado para produzir 36 cavalos de potência e depois aumentou 40 cavalos de potência em 1959. A unidade de 40 cv provou não ser confiável, então a fábrica emitiu um recall e substituiu-os por outras versões do motor com mesma potência. O T1 foi produzido na Alemanha até 1967. O Brasil produziu o T1 até 1975. O T1.5 foi produzido no Brasil de 1975 a 1996.

Tipo 2 T2

O T2 foi a segunda geração do Tipo 2 e introduzido em 1968 e permaneceu em produção na Alemanha até 1979. O México iniciou a produção do T2 em 1980 e do Brasil em 1996. Veículos do tipo 2 produzidos antes de 1971 são conhecidos como T2a com aqueles produzidos depois de 1972 chamou o T2b.
A primeira mudança visível sobre o T1 foi a remoção da janela dividida em favor de uma única peça de vidro. Esta é a razão pela qual o T2 é freqüentemente chamado de Bay-window. A suspensão traseira foi melhorada e o peso dos veículos aumentou. Para ajudar a transportar essa carga extra, a Volkswagen alimentou o T2 com um motor de 1.6 litros que produzia 48-DIN. Em 1972, motores maiores estavam disponíveis nos tamanhos de 1,7 e 2,0 litros. Para acomodar essas grandes usinas de energia, a bolsa do motor cresceu em tamanho, assim como as entradas de ar de resfriamento. Esses motores maiores são comumente conhecidos como o tipo 4 do motor. O motor tipo 4 foi projetado para os automóveis do tipo 4. Como o Tipo 2 usava o motor Tipo 1 (Fusca) não há nenhum motor Tipo 2 ou Tipo 3. O motor Tipo 4 ainda não produzia uma quantidade impressionante de potência, mas eles eram incrivelmente confiáveis e robustos em comparação ao Tipo 1.
Uma caixa de câmbio automática veio em 1973, mas apenas com a opção de motor Tipo 4. Em 1974, o deslocamento do motor do Tipo 4 aumentou para 1,8 litros e produziu 68-DIN. Potência na versão de 2.0 litros aumentou em 1976 para 70-DIN.

 


O T2c, com um teto elevado de cerca de 10 cm (3,9 pol), foi construído no início dos anos 1990 para os mercados mexicano, sul-americano e centro-americano. Desde 1991, o T2c foi construído no México com o motor carburador de 4 cilindros em linha de 53 kW (72 cv; 71 cv) refrigerado a água - facilmente identificado pelo grande radiador montado na frente - e desde 1995 com o Motores 1.6 L refrigerados a ar para o mercado brasileiro.
Uma vez que a produção do Fusca original terminou no final de 2003, o T2 era o único modelo da Volkswagen com um motor boxer traseiro refrigerado a ar, mas o modelo brasileiro mudou para um motor refrigerado a água em 23 de dezembro de 2005. Havia um motor a diesel refrigerado a água de 1,6 L e 50 cv (37 kW; 51 cv) disponível de 1981 a 1985, que proporcionou uma economia de combustível de 15 km / l a 18 km / l [19], mas deu um desempenho lento e sistema de refrigeração insuficiente levou a uma curta vida útil do motor.
Regulamentações mais rigorosas de emissões introduzidas pelo governo brasileiro em 2006 forçaram a mudança para um motor refrigerado a água com motor bicombustível Flex, capaz de funcionar com gasolina ou álcool. Emprestado pelo Volkswagen Gol, o motor é um EA-111 1.4 L 8v Total Flex com 1.390 cc (84,8 pol.), 58 kW (79 PS; 78 cv) com gasolina e 60 kW (82 cv; 80 cv ) quando operado com etanol e torque de 124 Nm (91 lbf.ft). Esta versão foi bem sucedida, apesar das pequenas alterações feitas no veículo. Ainda incluiu a transmissão de quatro velocidades, permitindo uma velocidade de cruzeiro a 120 km / h a 4.100 rpm. A velocidade máxima era de 130 km / h . A aceleração de 0 a 100 km / h levou de 22,7 segundos (contra 29,5 segundos para a última versão refrigerada a ar). Outras melhorias incluíram 6,6% melhor economia de combustível e quase 2 dB menos ruído do motor
O final do motor refrigerado a ar da Volkswagen em todo o mundo foi marcado por uma Special Edition Kombi. Um exclusivo trabalho de pintura Prata e emblemas de edição limitada foram aplicados a apenas 200 unidades no final de 2005 e foram vendidos como modelos de 2006.
O Volkswagen Tipo 2 é de longe o modelo mais longo executado no Brasil, tendo sido introduzido em setembro de 1950 como o Volkswagen "Kombi", um nome que manteve durante a produção. Produzido somente em duas versões de “9 lugares” ou “12 lugares” - uma quarta fila é adicionada para o transporte de passageiros ou ônibus escolar. Em junho de 2009, o T2 estava sendo construído na Fábrica de São Bernardo do Campo, do Grupo Volkswagen, com produção diária de 97 veículos.
A produção do Volkswagen Kombi brasileiro terminou em 2013 com uma produção de 600 veículos da Last Edition. Um curta-metragem intitulado "Os Últimos Desejos da Kombi" foi feito pela Volkswagen do Brasil para comemorar o fim da produção

 

Fontes:

https://www.conceptcarz.com/z28014/volkswagen-transporter.aspx

https://en.wikipedia.org/wiki/Volkswagen_Type_2