Carros Classicos Bugatti

Bugatti type57 Atlantic


Postada em 28/03/2020 às 09:36
Por Fabio MInami HWC

https://assets.pixyblog.com/wp-content/uploads/sites/4/2019/04/LTD07.jpg

Fabricado pela Bugatti Automobiles S.A.S. (na época uma empresa francesa), o Bugatti Type 57SC Atlantic é considerado por muitos especialistas e entusiastas como um dos carros mais estilosos, magníficos e caros já produzidos até hoje é. Com sua carroceria baixa, motor potente, construção leve, velocidade máxima de 200 km / h e carroceria em forma de lágrima, muitos acreditam que este é o primeiro supercarro já fabricado.

A empresa foi fundada por Ettore Bugatti em 1909 e seu filho, Jean Bugatti, desempenhou um grande papel no desenvolvimento da série Type 57, foi o grande responsável pelo projeto e construção desta lenda automobilística. Por volta de 1930 Jean começou a modernizar a política de modelos da marca de luxo. Em vez de vários modelos diferentes, ele desenvolveu um modelo básico a partir do qual ele derivou várias variantes diferentes. A Bugatti projetou o Type 57 como um carro de produção e como uma variante de corrida, o grande turismo final. A linha incluía várias opções de motores e carrocerias, como Galibier (salão de quatro portas), Stelvio (conversível), Ventoux (salão de duas portas) e Atalante (coupé). Quando a produção parou, em 1940, cerca de 800 modelos do Tipo 57 nas várias versões diferentes haviam deixado o local da fábrica.

Os modelos Atlantic foram desenvolvidos a partir do protótipo Aérolithe, também conhecido como Coupé Special ou Coupé Aero. As linhas aerodinâmicas que Jean adotou possuem uma mistura de estilo de aeronave, juntamente com o formato de gota de água. Seu conceito de design incorporou o Elektron, uma liga de magnésio e alumínio da IG Farben da Alemanha. Embora seja forte e até um terço do peso do alumínio, também é altamente inflamável, portanto, a soldagem não foi possível. Isso significava que cada painel tinha que ser rebitado no lugar, o que representava um problema específico para o design tradicional. Portanto, Jean incorporou a estética do rebite nas asas do carro e criou uma combinação notável de função e forma, uma técnica frequentemente usada na indústria da aviação.
O chassi do Type 57 Atlantic apresentava uma estrutura dorsal acentuada que ia da frente até a traseira do veículo. Os destaques do design incluem um para-brisa muito inclinado, barbatanas rebitadas e portas em forma de rim com janelas laterais correspondentes

O "S" no nome do modelo é de "surbaissé" (rebaixado em francês), enquanto o "C" corresponde ao compressor do motor, tecnologia até então avançada para a época. O nome Atlantic foi uma homenagem a Jean Mermoz, famoso piloto de avião e amigo de Jean Bugatti e dado como morto após desaparecer em um voo sobre o Oceano Atlântico, no final de 1936. Originalmente o modelo recebeu o nome de "Coupé Aero", em homenagem ao seu antecessor, o Type 57S Aérolithe. As duas primeiras unidades de produção já ostentavam esse nome, mas, depois de ouvir notícias sobre a tragédia com seu amigo, Jean encomendou a alteração do nome do modelo para "Atlantic Coupé".
O protótipo de chassi número 57331 com o codinome "Elektron Coupé" e depois chamado de La Aérolithe" teve uma existência muito curta. Foi finalizado em julho de 1935 e apenas quatro meses depois, fez sua primeira aparição pública no Paris Motor Show de 1935. O protótipo ficou em Londres até 1936 sendo transportado de volta para a França na fábrica da Bugatti onde foi desmontado. No perido de 2008 a 2013, uma equipe de restauração liderada por David Grainger, construiu uma réplica exata 1: 1 do Type 57S Aérolithe, com apenas 11 fotografias, 2 projetos e uma pintura de que dispunham todas as dimensões do veículo. Foi construído no chassi nº 57104 e seu corpo foi totalmente fabricado em liga Elektron

A Bugatti produziu apenas quatro modelos Atlantic e vendeu três dos carros artesanais aos clientes. Em 1936 foi construido o primeiro modelo para o banqueiro britânico Victor Rothschild, em azul acinzentado. Este veículo, com o chassi número 57 374, agora é conhecido como o "Rothschild Atlantic". O segundo proprietário do carro, um colecionador, morreu em um acidente e o Bugatti foi completamente destruído. Décadas depois, foi objeto de uma restauração complexa, embora o motor não pudesse ser salvo.

O segundo Atlantic foi construído para uso pessoal de Jean Bugatti. Somente ele ou alguns amigos selecionados, principalmente os pilotos da Bugatti, tiveram a honra de se sentar atrás do volante do cupê com o chassi número 57 453. A Bugatti usou o "La Voiture Noire" como modelo para fotos e carro de demonstração para feiras internacionais de automóveis, como as de Lyon e Nice. Em contraste com os outros modelos, não há vestígios deste carro após 1938.

O “Holzschuh Atlantic”, o terceiro carro construído, com o chassi número 57 473, foi entregue a Jacques Holzschuh, na França, em outubro de 1936. Em 22 de agosto de 1955, René Chatard e Janine Vacheron, estavam dirigindo o carro perto de Gien, na França, quando foram atingidos por um trem. Nenhum dos dois sobreviveu ao acidente e o veículo foi vendido a um comerciante de sucata. Os restos do carro foram comprados em 1963 por um colecionador francês que iniciou uma reconstrução completa, que culminou em 1977. Como resultado da severa deterioração, a maioria dos componentes originais foi substituída por novos, portanto, o valor do carro diminuiu.

O designer de moda Ralph Lauren é o proprietário do último Atlantic produzido, com o chassi número 57 591, o “Pope Atlantic” foi concluído em maio de 1938 - seu primeiro proprietário foi o britânico R.B. Pope. Esse modelo foi comprado por Lauren em 1988, que realizou uma restauração completa com Paul Russell e companhi

Em 2010 durante um leilão um comprador anônimo desembolsou nada mais, nada menos que US$ 40 milhões por um exemplar da Type 57 Atlantic. Estima-se que o exemplar que se encontra desaparecido pode valer US$ 114 milhões...

 

Fonte:

https://www.supercars.net

https://assets.pixyblog.com

https://en.wikipedia.org

https://www.bugatti.com