Automobilismo e Motociclismo Porsche FIA World Endurance Championship

Porsche 917


Postada em 04/01/2020 às 18:59
Por Fabio Minami HWC

https://www.thespeedjournal.com/wp-content/uploads/2019/04/50-years-of-porsche-917-goodwood-members-

Se alguém fizesse uma lista dos melhores carros de corrida já feitos, o Porsche 917 quase certamente teria que estar nele. Devido a suas características e seus resultados em corridas ele é um forte candidato ao melhor carro de corrida de todos os tempos. É inquestionavelmente um dos carros de corrida mais emblemáticos de todos os tempos, e aqueles que o pilotaram adoram falar sobre isso até hoje.


O 917 é um protótipo de carro de corrida desenvolvido pelo fabricante alemão Porsche. O modelo deu à fábrica alemã suas primeiras vitórias gerais nas 24 Horas de Le Mans em 1970 e 1971. O desenvolvimento desse carro surgiu devido a uma mudança de regra no automobilismo. Em 1968, a FIA (Federation Internationale de l'Automobile), anunciou uma nova classe de corridas para carros esportivos com motores não maiores que 5 litros e que pesavam pelo menos 1.760 libras (798,3 kg). A decisão foi tomada para permitir que carros com motores menores corressem no Campeonato Mundial de Carros Esportivos. Criado por uma equipe liderada pelo engenheiro-chefe Ferdinand Piëch, o 917 lançou as bases para uma série de corredores de esportes de resistência que dominariam o esporte por décadas. Baseando o design do 917 no bem-sucedido 908, a equipe de Piëch aproveitou uma brecha nas regras que permitiam o uso de um motor de cinco litros se 25 exemplos pudessem ser produzidos em um ano. Quando a Porsche decidiu, em meados de 1968, fazer essa tentativa, tinha 10 meses para concluir o trabalho, a fim de fazer com que a FIA a homologasse em 1969.


A Porsche concluiu a tarefa a tempo, embora o 917 não fosse competitivo era muito poderoso e incrivelmente rápido, e mostrou-se praticamente imperdível em velocidade. Jo Siffert (piloto de corridas suíço) chamou o modelo de "instável" e "perigoso". Em 1969, o veterano 908 mostrou-se mais competitivo, apesar de todas as vantagens aparentes do 917. No final da temporada, a Porsche contratou John Wyer para que eles pudessem se concentrar no setor de engenharia e produção. O engenheiro-chefe de Wyer, John Horsman, observou que quase não havia mosquitos salpicados na asa traseira durante uma sessão de teste. Concluiu-se que a seção de cauda simplesmente não estava recebendo fluxo de ar suficiente para criar qualquer força de tração significativa. A equipe de Wyer montou uma seção mais curta da cauda levantada para testar a teoria de Horsman. Durante os testes o piloto britânico Brian Redman começou correu vários segundos mais rápido e retornou aos boxes, declarando: "É isso, agora é um carro de corrida!" A fábrica começou a revisar o corpo do 917 e o 917K de cauda curta nasceu. As vitórias começaram a se acumular para o 917 em 1970, inclusive em Le Mans, onde até superou o 917LH de cauda longa revisado com velocidades sustentadas superiores a 350km/h. A Porsche repetiu a vitória de Le Mans em 1971, estabelecendo um recorde de distância total que não foi superado até 2010.


O carro continha um motor de 4,5 litros e 12 cilindros refrigerado a ar, de design semelhante aos motores de seis cilindros ou boxer usados no carro esportivo Porsche 911. O motor 917 tinha inicialmente 520 cavalos de potência, era capaz de acelerar de zero a 96,6 km/h (60 MPH) em 2,5 segundos e tinha uma velocidade máxima de quase 402 quilômetros por hora. A caixa de cinco velocidades do 917 compartilhava muito com o design do 908, embora fosse monstada em uma caixa de liga de magnésio em vez de alumínio. Dada a posição baixa geral do motor, o próprio disco da embreagem tinha que ser bem pequeno para caber e, com apenas 18,5 cm de diâmetro, inicialmente provou ser um ponto vulnerável no sistema de transmissão robusto do 917.
O 917 também ficou famoso por apresentar diversos esquemas de pintura, incluindo as famosas cores do “Gulf Oil”, além da versão "Pink Pig" e um modelo "Hippie Car" psicodélico verde e roxo, pilotado pela Martini Racing.


A temporada de corridas de 1970 provou ser um ano melhor depois que a equipe de Wyer resolveu os problemas no manuseio do 917. O carro conquistou vitórias em Daytona, Brands Hatch, Monza, Spa, Nürburgring, Targa Florio, Watkins Glen e Österreichring na Áustria. O ponto alto da temporada chegou em junho, quando o 917 conquistou a tão esperada vitória geral nas 24 Horas de Le Mans. O carro venceu nove das 10 corridas daquele ano para garantir o troféu do Campeonato Mundial de Marcas. O ano seguinte foi igualmente bem sucedido. O carro defendeu seu troféu mundial em 1971, vencendo oito das 10 corridas e mais uma vez vencendo as 24 Horas de Le Mans. Desta vez, estabeleceu um recorde de 386,2 km/h (240 MPH) na reta Mulsanne da pista.


No fim da temporada de 1971 o Porsche 917 tornou-se tão dominante que a FIA mais uma vez mudou seus regulamentos, e o carro não era mais elegível para competir. Por isso, em 1972 a Porsche foi para a América do Norte, onde eles entraram na “Sports Car Club of America” para participar da “Canadiam-American Challenge Cup”, ou Can-Am. Quando o modelo começou a competir nessas corridas que possuíam muito menos regulamentações do que outros eventos, o motor foi ajustado para produzir algo entre 1.000 e 1.500 HP de potência. Ainda hoje está entre os carros de corrida mais poderosos de todos os tempos
Apenas 65 exemplos do Porsche 917 foram construídos. Sete existem no Museu Porsche em Stuttgart, Alemanha, enquanto muitos outros estão nas mãos de colecionadores de todo o mundo. Seus valores de venda em leilões são altíssimos devido a suas histórias de prestígio - e ainda inspiram admiração por seu poder até hoje.


Fonte:


https://www.hemmings.com


https://www.simeonemuseum.org


https://en.wikipedia.org


https://auto.howstuffworks.com