Automobilismo e Motociclismo Pilotos Lendários Fórmula 1

Juan Manuel Fangio


Postada em 30/12/2019 às 11:22
Por Fabio MInami HWC

http://www.f1-grandprix.com/wp-content/uploads/2010/04/fangio_color-1680x720.jpg

Fangio iniciou sua saga lendária aos 23 anos e aos 37 e entrou para o mundo intenso e altamente competitivo da Fórmula 1. Ele venceu cinco Campeonatos Mundiais e ainda é considerado um dos maiores pilotos de todos os tempos. Conhecido como “El Maestro”, participou de 51 GPs de Formula 1, obtendo 29 pole positions, 24 vitórias, 23 recordes de volta mais rápida e cinco títulos mundiais (1951, 1954, 1955, 1956 e 1957) dos quais 4 foram consecutivos, e dois vice-campeonatos (1950 e 1953) em oito temporadas que disputou. Fangio correu em quatro escuderias: Alfa Romeo (1950-1951), Maserati (1953-1954 e 1957-1958), Mercedes (1954-1955) e Ferrari (1956), tornando-se campeão em todas elas. É o único piloto da história da Formula 1 que foi campeão em 4 equipas diferentes.


Juan Manuel Fangio nasceu em Balcarce, Argentina, em 1911. Durante sua infância, ele ficou conhecido como “El Chueco”, o” de pernas largas”, por sua habilidade em dobrar a perna esquerda ao redor da bola para chutar no gol durante os jogos de futebol. A carreira de Fangio começou em 1934, quando começou a usar um Ford Modelo A, que ele reconstruiu e foi campeão nacional da Argentina em 1940 e 1941. Uma corrida em particular, que ele venceu em 1940, o “Gran Premio del Norte” tinha quase 10.000 quilômetros de extensão. Essa corrida ida e volta, entre Buenos Aires até Lima no Peru levou quase duas semanas com etapas realizadas todos os dias. Não foram permitidos mecânicos e quaisquer reparos teriam que ser concluídos pelo motorista ou copiloto.
Após muitos sucessos, dirigindo todas as marcas de carros modificados americanos Fangio foi patrocinado pelo governo e pela Argentine Automobile Club e foi enviado à Europa para continuar sua carreira após o fim da Segunda Guerra Mundial. A primeira corrida de Fangio foi o Grande Prêmio da França de 1948 em Reims, com um Simca Gordini. De volta à América do Sul, durante uma corrida de longa distância, ele saiu da estrada no Peru e desceu uma encosta. Seu co-piloto, Daniel Urrutia, faleceu devido aos ferimentos nesse acidente, fazendo com que Fangio considerasse a possibilidade abandonar o esporte. Participou de mais seis corridas de Grand Prix em 1949, vencendo quatro delas.
Inicialmente, Fangio não foi bem-sucedido até competir com um Alfa Romeo em 1950, ano em que ficou com o vice-campeonato de Fórmula 1, perdendo naquele ano o título para Nino Farina. Em 1951, Fangio competiu pela equipe Alfa Romeo com o novíssimo modelo 159, vencendo o Grande Prêmio da Suíça, França e na corrida final no GP da Espanha em Pedralbes, onde conquistou o título, com seis pontos à frente do piloto da Ferrari, Alberto Ascari. A Alfa Romeo saiu do Campeonato Mundial no final de 1951, deixando Fangio sem carro em 1952. Eventualmente, ele se inscreveu na equipe Maserati, mas antes que pudesse começar a competir na temporada do campeonato, ele sofreu uma fratura no pescoço em um incidente de corrida em Monza. Ele colidiu com um banco de grama na segunda volta e foi jogado para fora do carro quando o veículo capotou. Ele foi levado ao hospital e passou o resto do ano se recuperando na Argentina.


Em 1953, Fangio estava de volta à Europa correndo o campeonato daquele ano pela Maserati. Disputando contra as Ferraris liderados por Ascari, conquistou uma vitória no GP da Itália, em Monza. Junto com essa vitória, Fangio garantiu três segundos lugares para terminar em segundo no campeonato e também ficou em terceiro na “Targa Florio”. Ele terminou 1953 em uma Lancia D24 vencendo a “Carrera Panamericana” em tempo recorde. Nas três primeiras corridas da temporada de 1954, excluindo o Indianapolis 500, Fangio continuou com a Maserati vencendo o GP da Argentina e da Bélgica, antes de mudar para a equipe Mercedes no meio de 1954, onde venceu mais quatro corridas e conquistou o título do piloto usando o avançado Mercedes-Benz W196.
Em 1955, ainda na Mercedes com seu carro W196 Fangio se submeteu a um programa de treinamento extenuante, em um esforço para manter altos os níveis de condicionamento físico, comparáveis aos dos rivais mais jovens. Isso funcionou e mais uma vez ele dominou o campeonato vencendo quatro corridas. No final do ano, a Mercedes saiu da Fórmula 1 após o desastre de 1955 em Le Mans, onde 81 pessoas morreram devido a um acidente. Em 1956, Fangio mudou-se para a Ferrari para conquistar seu quarto título. Enzo Ferrari e Fangio não tiveram um relacionamento muito caloroso, apesar do sucesso. No GP da Itália de final de temporada, o companheiro de equipe de Fangio na Ferrari, Peter Collins, que estava em posição de vencer o Campeonato do Mundo com apenas 15 voltas, entregou seu carro a Fangio. Eles dividiram os seis pontos conquistados pelo segundo lugar, dando a Fangio o título mundial.


Em 1957, Fangio voltou para Maserati, que ainda usava o mesmo modelo 250F que Fangio havia pilotado no início de 1954. Fangio começou a temporada com vitórias na Argentina, Mônaco e França. No GP da Alemanha em Nürburgring, Fangio aumentou sua liderança em seis pontos para conquistar o título com duas corridas de antecedência. É considerada uma de suas melhores corridas, onde fez várias voltas mais rápidas, uma após a outra, antes de quebrar o recorde para vencer a corrida e o campeonato.
Durante o GP de Cuba em fevereiro de 1958, dois pistoleiros mascarados do Movimento de 26 de julho de Fidel Castro entraram no Hotel Lincoln em Havana e sequestraram Fangio sob a mira de uma arma. O motivo era simples: capturando o maior nome no automobilismo, os rebeldes estavam aparecendo no governo e atraindo publicidade mundial para sua causa. Mas, apesar das notícias chocantes que se espalharam pelo mundo, o presidente Batista não recuou e ordenou que a corrida continuasse, enquanto uma equipe de policiais caçava os sequestradores. Durante o sequestro, os captores falaram sobre seu programa revolucionário sobre o qual Fangio não desejava falar, pois ele não tinha interesse em política. Mais tarde, ele expressou simpatia por seus captores: "Bem, essa é mais uma aventura. Se o que os rebeldes fizeram foi por uma boa causa, então eu, como argentino, aceito." Fangio foi libertado após 29 horas de cárcere.
Em 1958, após alguns resultados ruins, Fangio decidiu se aposentar terminando em 14º lugar na pontuação geral do campeonato. Durante o resto de sua vida, Fangio vendeu carros Mercedes-Benz, muitas vezes dirigindo seus ex-carros de corrida em voltas de demonstração. Demonstrando preocupação com o que faria após se aposentar das pistas, adquiriu em meados da década de 1950, a concessão argentina da Mercedes. Foi nomeado presidente da Mercedes-Benz Argentina em 1974 e seu presidente honorário vitalício em 1987.


Em julho de 1995, a lenda Juan Manuel Fangio morreu vítima de insuficiência crônica renal. Ele tinha 84 anos. Enquanto estava vivo afirmava que os pilotos que o sucederam que ele mais admirou foram brasileiro Ayrton Senna e o britânico Jim Clark . Em julho de 1995, Juan Manuel Fangio morreu vítima de insuficiência crônica renal aos 84 anos. A sua marca de 5 títulos só foi superada 46 anos depois pelo alemão Michael Schumacher em 2003.



                               Registros na Fórmula 1


Temporadas:              1950-1951, 1953-1958
Equipes:                    4 (Alfa Romeo, Maserati, Mercedes e Ferrari)
GPs disputados:         52 (51 largadas)
Títulos:                      5 (1951, 1954, 1955, 1956 e 1957)
Vitórias:                    24
Pódios:                      35
Pontos:                     277.6
Pole positions:           29
Primeiro GP:             GP da Inglaterra de 1950
Último GP:                GP da França de 1958


                     Registros nas 24 Horas de Le Mans


Edições:                    1950-1951, 1953, 1955
Equipes:                    Gordini, Louis Rosier, Alfa Corse, Daimler-Benz
Vitórias em classe(s): 0



Para conhecer mais:
https://www.museofangio.com/


Fonte:


https://www.tagheuer.com
https://www.formula1.com
https://f1history.fandom.com
https://pt.wikipedia.org