Maquinas Incriveis Dirigíveis

Zeppelins...a era glamourosa dos dirigíveis


Postada em 28/12/2019 às 18:47
Por Fabio MInami HWC

https://4.bp.blogspot.com/-3YxmeSv3WsI/WHyJspFuuMI/AAAAAAAAAGQ/_TKdpg-YX8A11fAeCKuuA8KeIhSif4wuACLcB

Zeppelin era um dirigível rígido originalmente fabricado pela Luftschiffsbau-Zeppelin, consistindo de uma estrutura em forma de charuto, treliçada e coberta, suportada por células de gás internas. O primeiro dirigível Zeppelin foi projetado por Ferdinand Graf von Zeppelin, oficial do exército alemão aposentado, e fez seu voo inicial de um hangar flutuante no lago Constança, perto de Friedrichshafen, Alemanha, em 2 de julho de 1900. Debaixo dos 128 metros (420 - pé) construíram uma estrutura semelhante a uma quilha conectada a dois carros externos, cada um deles contendo um motor de 16 cavalos de potência e duas hélices. Um peso deslizante preso à quilha proporcionava controle vertical, elevando ou abaixando o nariz, enquanto lemes eram fornecidos para controle horizontal. A embarcação atingiu velocidades próximas a 32 km (20 milhas) por hora.


Dos muitos zepelins construídos, os dois mais famosos foram o Graf Zeppelin, e o gigante Hindenburg: o primeiro fez seu primeiro vôo em 18 de setembro de 1928, sob o comando de Hugo Eckener. O navio decolou às 15h32 e voou pouco mais de três horas antes de retornar à sua base em Friedrichshafen, e o Hindenburg fez seu batismo em 4 de março de 1936. Quando o Graf Zeppelin circulou o mundo, sua fama mundial inspirou uma febre internacional de zeppelins no final da década de 1920 e no início da década de 1930, tendo sido pioneiro no serviço de vôo transatlântico. Utilizava 5 motores a pistão Maybach proporcionando cada motor uma potência de 550 hp (410 kW) e velocidade máxima 128 km/h. No momento de seu descomissionamento em 1937, já havia feito 590 voos, incluindo 144 travessias oceânicas, e voou mais de 1,6 milhão de km (1 milhão de milhas). Em 1929, a aeronave percorreu cerca de 34.600 km (21.500 milhas) em um voo mundial que foi concluído em um tempo decorrido de aproximadamente 21 dias. O Hindenburg, com 245 metros de comprimento, era alimentado por 4 motores Daimler-Benz DB 602 a diesel desenvolvendo cada motor 1 200 hp de potência, proporcionando uma velocidade máxima de 135 km/h. Em 1936, este dirigível transportou um total de 1.002 passageiros em 10 viagens regulares entre a Alemanha e os Estados Unidos.


Em 6 de maio de 1937, durante o pouso em Lakehurst, Nova Jersey, a nave inflada por hidrogênio explodiu em chamas e foi completamente destruída, com uma perda de 36 vidas. As instalações do dirigível Zeppelin foram destruídas pelo bombardeio dos Aliados durante a Segunda Guerra Mundial, e a construção das enormes aeronaves rígidas nunca foi retomada. Em 1993, as empresas descendentes da Luftschiffsbau-Zeppelin fundaram a Zeppelin Luftschifftechnik GmbH, que construiu o Zeppelin NT (“Nova Tecnologia”), uma aeronave menor (75 metros ou 250 pés) cheia de hélio que em 2001 começou a oferecer curtas visitas turísticas ao Lago Constança que está localizado na fronteira com Alemanha, Áustria e Suíça.


VISITA AO BRASIL


O primeiro dirigível que chegou ao Brasil num voô experimental com o objetivo de viabilizar uma rota comercial entre Europa e a América do Sul, foi o "Graf Zeppelin" D-LZ127 atracando no Campo do Jiquiá em Recife no dia 22 de maio de 1930. Na capital pernambucana, as malas de correio que se encontravam no zeppelin foram repassadas para um Junkers Ju.52/3m do Syndicato Condor e despachadas para o Sul do País. A torre de amarração montada no Campo de Jiquiá tinha, na ocasião, 16,5 m de altura e mais de três toneladas. No local também havia uma fábrica com depósito de gás hidrogênio, estação de radiotelegrafia, uma pequena estação de passageiros e outras dependências que pudessem garantir a infraestrutura suficiente para a operação segura do Graf Zeppelin.


Hugo Eckener, que dirigia a empresa operadora do Graf Zeppelin, não escondia o seu desconforto por estar operando precariamente no Campo dos Afonsos, nos arredores da cidade. A topografia do terreno e a presença frequente de ventos cruzados costumavam expor o dirigível a riscos desnecessários. Em 1933, os alemães vieram ao Brasil, para projetar um hangar para as aeronaves, em Santa Cruz. Tal hangar, pré-fabricado, foi construído pela Guttehoffnungshutte Aktien Geselschaft, na Alemanha, transportado por vida marítima e montado em Santa Cruz pela Companhia Construtora Nacional, durante 23 meses, empregando 5.500 operários. O gigantesco hangar, ainda existente, tem 274 metros de comprimento, 58 metros de altura e 58 metros de largura, e é orientado no sentido norte-sul. os dirígíveis entravam pela porta sul, rebocados pela torre, que era móvel e se deslocavam sobre trilhos.



USO MILITAR


Durante a Primeira Guerra Mundial, os alemães obtiveram sucesso moderado em operações de bombardeio de longo alcance com o dirigível rígido do tipo zepelim, que poderia atingir altitudes mais altas do que os aviões então disponíveis. Em duas ocasiões, durante 1917, os zepelins alemães fizeram vôos com quase 100 horas de duração. Tais performances levaram muitas pessoas a acreditar que grandes aeronaves desempenhariam um papel importante no desenvolvimento da aviação. Vários zepelins foram distribuídos aos países aliados como parte das reparações do pós-guerra pela Alemanha.
Ainda na Primeira Guerra ocorreram experiências de utilizar uma aeronave para lançar outra aeronave, como um “porta-aviões voador”. Esses aviões eram chamados de “parasitas”. Em 1918, o dirigível britânico R23r realizou uma série de lançamentos no ar de caças Sopwith Camel, embora eles não fossem recuperados pela aeronave-mãe. Fontes não oficiais relatam que em 1924, A USA Army efetuou o primeiro lançamento e recuperação de uma aeronave no ar no dirigível TC-3, utilizando um biplano Sperry Messenger através do uso de um ‘gancho aéreo’ ligado ao o dirigível. O dirigível britânico R33 foi o próximo a executar uma recuperação aérea, primeiro com um biplano DH 53 Hummingbird em 1925 e, em seguida, usando caças Gloster Grebe em 1926. No entanto, o mais famoso dos portadores de parasitas pré-guerra foram os dirigíveis Akron e Macon da Marinha dos EUA, chamados de “Porta Aviões Parasitas”.


O AKRON (ZRS-4) foi uma enorme máquina, com 239 metros de comprimento, apenas um pouco menor do que o Zeppelin Hindenburg. Equipado com oito motores, montados no interior do casco, alimentavam as hélices através de um arranjo de engrenagens. Ele possuía um hangar interno para até cinco aviões parasitas: o modelo N2Y-1 e os caças Curtiss F9C-2 Sparrowhawk, ambos biplanos e equipados com um “Skyhook” (gancho aéreo) fixado no topo da asa para prender no trapézio do Akron . O hangar tinha aproximadamente 22,9 metros de comprimento, 18,3 metros de largura e 4,9 de altura e uma abertura em forma de T na frente, através do qual um sistema de trapézio extensível poderia lançar e recuperar as aeronaves.


MACON (ZRS-5) era uma cópia praticamente idêntica de sua nave irmã, com algumas pequenas modificações e melhorias. O dirigível foi batizado pela esposa do almirante William Moffett em 11 de março de 1933 e fez seu primeiro voo em 21 de abril de 1933. Mais tarde naquele ano, Macon deixou a Estação Aérea Naval em Lakehurst para sua nova casa na Califórnia na Estação Aérea Naval dos EUA. O Akron foi destruído durante uma tempestade de relâmpagos, na costa de Nova Jersey, na manhã de 4 de Abril de 1933, ceifando a vida de 73 pessoas. O Macon caiu no mar ao largo da costa da Califórnia durante uma tempestade em 12 de fevereiro de 1935, depois de sofrer uma falha estrutural em voo. O dirigivel estava equipado com coletes salva-vidas e botes e todos, exceto dois dos 83 oficiais e homens, foram resgatados do oceano. 


Fonte:


https://www.britannica.com


https://pt.wikipedia.org


https://www.airships.net


https://www.airway.com.br


https://aeromagazine.uol.com.br