Maquinas Incriveis Aviões de Guerra

Mitsubishi A6M Zero


Postada em 03/12/2019 às 21:29
Por Hotwheelscollection

http://theudericus.free.fr/IL2_Sturmovik/Zero/Zero_A6M2-21.jpg

A maioria das pessoas ouve a palavra "Mitsubishi" e pensa em automóveis. Mas a empresa foi inicialmente fundada como uma empresa de transporte marítimo em 1870 em Osaka, Japão, e rapidamente se diversificou. Uma de suas empresas, a Mitsubishi Aircraft Company fundada em 1928, construiu aviões de combate para a Marinha Imperial Japonesa durante a Segunda Guerra Mundial. Um desses aviões era o A6M Zero.
Zero, também chamado de Mitsubishi A6M ou Navy Type 0, foi um avião de combate monoplano de assento único e asa baixa usado em grande escala no conflito. Desenhado por Horikoshi Jiro, foi o primeiro caça baseado em porta aviões capaz de derrotar seus oponentes terrestres. Ele foi projetado de acordo com as especificações escritas em 1937, foi testado em 1939 e foi colocado em produção e em operação na China em 1940. Embora as forças aliadas o chamassem pelo codinome “Zeke”, era geralmente conhecido como Zero, um termo derivado de um de seus nomes japoneses - Reisen Kanjikisen (avião de caça baseado em transportadora tipo Zero) abreviado Reisen. O ano em que sua produção começou, em 1940, foi o 2.600º aniversário da ascensão ao trono do lendário primeiro imperador do Japão, Jimmu, daí a designação "zero".



Quando estreou em combate, o Zero conseguiu superar todos os aviões que encontrou. Foi considerado o caça embarcado (porta aviões) mais eficiente do mundo no início da Segunda Guerra Mundial, combinando excelente manobrabilidade e longo alcance. Para supera-lo nos combates, os pilotos aliados desenvolveram táticas específicas. Eles incluíam o "Thach Weave", que exigia dois pilotos aliados trabalhando em conjunto, e o "Boom-and-Zoom", que utilizava pilotos aliados lutando no mergulho ou na subida. Nos dois casos, os Aliados se beneficiaram da completa falta de proteção do Zero, já que uma única rajada certeira na fuselagem provocava um incêndio que geralmente era suficiente para derrubar a aeronave. O Serviço Aéreo da Marinha Imperial Japonesa (IJNAS) também costumava usá-lo como um caça terrestre. Isso contrastava com os caças aliados, como o P-40 Warhawk e o F4F Wildcat, que, embora menos manobráveis, eram extremamente robustos e difíceis de derrubar. Durante o conflito, o caça foi responsável por destruir pelo menos 1.550 aeronaves americanas entre 1941 e 1945. Nunca atualizado ou substituído eficientemente, o Zero permaneceu como principal caça da Marinha Imperial Japonesa durante a guerra. Com a chegada de novos caças aliados, como o F6F Hellcat e o F4U Corsair, ele foi rapidamente superado.



A princípio era equipado por um motor radial de 14 cilindros refrigerado a ar Nakajima Sakae que desenvolvia 1.020cv de potência. Mais tarde, usou um motor de 1.130cv de potência para girar sua hélice de três pás. Sua velocidade máxima era de 565 km / h, a 6.100 m, e estava armado com duas metralhadoras de 7,7 milímetros e dois canhões de 20 milímetros nas asas; também podia carregar duas bombas de 59,9 kg sob as asas. Além disso, seu tanque de combustível interno de 156 galões (591 litros) foi aumentado com um tanque externo de 94 galões (356 litros) que podia ser derrubado quando vazio, permitindo assim que o Zero aumentasse seu alcance. Os Aliados não construiram caças que poderiam derrotá-lo em combate aéreo até 1943. Muitos Zeros foram convertidos em kamikazes (aviões suicidas) nos meses finais da guerra. Ao todo, quase 10.430 deles foram construídos.
Vários Zeros capturados foram usados pela recém-proclamada República da Indonésia durante a Revolução Nacional da Indonésia (1945-1949).



Fonte:


https://www.britannica.com
https://en.wikipedia.org
https://www.thoughtco.com