Automobilismo e Motociclismo Ferrari Fórmula 1

Ferrari 500


Postada em 30/11/2019 às 19:41
Por Hotwheelscollection

https://c8.alamy.com/comp/B61RPD/ferrari-500-f2-formula-2-built-in-1953-previously-driven-by-alberto

O Ferrari 500 foi um carro de corrida projetado inicialmente para ser utilizado na Fórmula 2. Foi projetado por Aurelio Lampredi e utilizada nos campeonatos de Formula 1 de 1952 e 1953, quando o Campeonato Mundial foi executado com as regulamentações da Fórmula 2. Foi pilotado por Alberto Ascari
Nenhum carro fez mais para estabelecer a reputação dominante da Ferrari na Fórmula 1 do que o Tipo 500. Ao longo de sua vida, o 500 passou a estabelecer recordes na Fórmula 1 que só seriam derrotados trinta anos depois.
Ao longo da temporada de 1951 no Campeonato Mundial de Fórmula 1 e nos GPs fora do campeonato, a Ferrari começou a ser uma força dominante, ainda mais que a Alfa Romeo e sua 159 Alfetta. O construtor de motores e carros Aurelio Lampredi havia projetado o V12 de 4,5 litros que movia a Ferrari 375, lebadno a escuderia iataliana para a sua primeira vitória de Fórmula 1 no Grande Prêmio da Inglaterra. Após essa corrida, a Ferrari começou a derrubar a Alfa Romeo como a equipe mais dominante da Fórmula 1. No entanto, Alfa Romeo; e Juan Manuel Fangio, ganhariam o campeonato de pilotos naquele ano.



Parte do gênio de Lampredi era sua capacidade de usar projetos de motores diretos e tirar o máximo proveito deles, tanto em potência quanto em confiabilidade. Seu V12 de 4,5 litros mostrou um tremendo poder e resistência ao longo de 1951. A saída da Alfa Romeo no final de 1951 causou preocupação com o novo Campeonato do Mundo. A batalha entre Alfa Romeo e Ferrari ajudou o novo Campeonato Mundial a se tornar mais competitivo e atraente ao público. Para manter o interesse dos fãs era necessário que ocorressem algumas mudanças nas regras. Os organizadores haviam notado o nível de competição na Fórmula 2 decidindo assim antes do final de 1951 que, em 1952, o Campeonato do Mundo seria executado segundo as especificações da Fórmula 2. Sabendo disso e com o apoio financeiro adequado, Aurelio Lampredi projetou e construiu o Tipo 500. Ele seria introduzido na Fórmula 2 no final da temporada de 1951. Isso deu à Ferrari tempo para trabalhar com o carro para torná-lo o mais confiável possível antes do início da temporada de 1952. Apesar dos registros que acabaria alcançando ao longo de sua vida útil, o Tipo 500 era incrivelmente simples em seu design. Lampredi decidiu construir um carro verdadeiramente simples e extremamente competitivo.



O carro foi construído em torno de um motor de quatro cilindros em linha de 2.0 litros muito direto que era capaz de produzir 175 cv. O motor de duas válvulas foi alimentado por quatro carburadores Weber e foi capaz de acelerar para mais de 7.500 rpms. O projeto de Lampredi possuía um motor com potência e confiabilidade. No entanto, ele precisava construir um carro que pudesse aproveitar ao máximo o desempenho que o motor era capaz de oferecer. Mais uma vez, Lampredi excederia as expectativas.
Durante o final da década de 1940, equipes e pilotos estavam vencendo com carros projetados antes da Segunda Guerra Mundial. O dinheiro e os materiais não estavam disponíveis para criar novos carros de corrida. À medida que a década de 1950 se aproximava, o dinheiro e os materiais se tornaram mais facilmente disponíveis. Um aspecto importante que a guerra forneceu aos projetistas de carros foi uma maior compreensão e ênfase na eficiência aerodinâmica. Ser leve e aerodinamicamente eficiente se tornou muito importante, especialmente na Fórmula 2, com motores que produziam menos potência. Essa eficiência limpa ficou evidente com os 500 da Ferrari. Para tirar o máximo proveito do motor, o design da Lampredi foi particularmente limpo e ofereceu pouca resistência.
Lampredi começou com o formato familiar de charuto / lágrima, mas o refinaria para se tornar um carro de grande prêmio verdadeiramente soberbo. Embora isso variasse de ponta a ponta, o nariz apresentava uma abertura de boca larga, a primeira nos desenhos da Ferrari. Dependendo da pista e das condições, a altura da abertura variava mas principalmente, era mais larga do que alta. Esse detalhe no projeto puxou a linha da parte superior do chassi em direção ao chão. Mas isso foi possível devido ao motor de quatro cilindros muito menor, alojado sob o capô. A linha superior inferior do carro abaixou o centro de gravidade. Combinado com a largura do nariz, o centro de gravidade mais baixo na frente ajudou a permitir que o carro fosse mais estável nas curvas de alta velocidade. Além disso o motor menor foi colocado mais atrás do eixo da roda dianteira. Isso ajudou a colocar a maior parte do peso do carro no meio do carro, o que também melhorou a dirigibilidade. Essa estabilidade ofereceu confiança e inspiraria seus pilotos, como Alberto Ascari, a se esforçarem mais.



O chassi tubular soldado permitiu que a carroceria com contornos mais suaves fosse anexada ao carro para criar um design aerodinamicamente limpo. As únicas saliências na parte frontal do chassi incluíam o único tubo de escape que escorria pelo lado esquerdo do chassi e uma pequena protuberância para cobrir alguns dos componentes do motor no lado direito. A suspensão dianteira consistia em triângulos e uma mola de lâmina montada transversalmente. A suspensão traseira do 500 utilizava o eixo De Dion e uma mola de lâmina semi-elíptica transversal. Dois braços de reboque ajudaram a impedir que o eixo se movesse para frente ou para trás. A potência de frenagem do carro veio através de freios a tambor de quatro rodas acionados hidraulicamente com aletas usinadas que se estendiam para a corrente de ar para ajudar no resfriamento.O cockpit do 500 era aberto e bastante confortável, pelo menos para a parte superior do corpo. Além do volante grande e com acabamento em madeira, o instrumento mais notável no painel era o medidor de rpm do motor de quatro cilindros. Um pára-brisas pequeno e de peça única ajudou a bloquear o motorista do vento e de outros detritos prejudiciais. Dois pequenos espelhos redondos ladeavam o para-brisa. A cabine do piloto profundamente recortada expunha o braço esquerdo do motorista ao tubo de escape que corria ao lado da cabine. As pernas e os pés do motorista deslizaram para os canais de cada lado de uma grande caixa de metal cobrindo os componentes do motor e da transmissão. A transmissão de quatro velocidades e o eixo de transmissão das rodas traseiras passavam por um tubo entre as pernas do motorista. Claro, logo atrás do motorista estava o grande tanque de combustível do carro, escondido sob a carroceria do carro.



Em 1952 (com a exclusão do Indianapolis 500), pilotada por Alberto Ascari, a Ferrari 500 F2 foi Campeão de Formula 1 vencendo todas as etapas do Campeonato Mundial de Fórmula 1. O carro também se mostrou quase imbatível em todos os outros eventos de campeonato fora do mundo em que o carro foi inscrito.Em 1953 veio o bicampeonato com Ascari novamente na direção. Nesse ano a Ferrari 500 venceria sete das nove rodadas que contavam para o Campeonato Mundial. As únicas corridas que não venceu naquele ano foram o Indianapolis 500 e o Grande Prêmio da Itália. Alberto Ascari venceu nove corridas consecutivas (não contando a Indy) pilotando uma Ferrari 500 F2. Na história da Fórmula 1, o Ferrari 500 é o segundo carro de maior sucesso de todos os tempos, atrás do McLaren MP4 / 4 de 1988.


Ficha técnica


Motor:              Ferrari 4-cilindros linha twin-cam
Transmissão:     Manual (4 velocidades)
Motor:              Lampredi 1.984 cc, 4 cilindros L4 de aspirado, motor dianteiro, montado longitudinalmente
Comprimento:   4820 mm
Largura:           1780 mm
Altura:              1280 mm
Peso:                1540 kg
Consumo:         6.45 km/l


http://projetomotor.com.br
http://www.grandprixhistory.org
https://www.conceptcarz.com