Automobilismo e Motociclismo Pilotos Lendários Fórmula 1

Emerson Fittipaldi


Postada em 30/11/2019 às 16:19
Por Hotwheelscollection

http://i0.wp.com/projetomotor.com.br/wp-content/uploads/2017/09/EMerson-destaque.jpg?resize=740%2C35

Emerson Fittipaldi nasceu em 12 de dezembro de 1946 em São Paulo, Brasil. Seu pai, Wilson Fittipaldi conhecido como "Barão", era jornalista e comentarista de automobilismo. Começou a competir em motos, mas logo se mudou para karts, utilizando no início o kart de seu irmão mais velho, Wilson. "Emmo", como é conhecido por seus fãs na América, começou sua ascensão nas pistas de corrida na Europa.



Em 1967, Fittipaldi com Wilson construíram seus próprios karts e ganharam várias competições. Em 1969 se mudou para a Inglaterra, onde ficou ficou sob os cuidados do lendário dono da escola de corrida Jim Russell. Dirigindo um carro Lotus Formula 3, ele venceu o campeonato Lombank F3. Sua condução era suave e controlada, marcas registradas que continuariam ao longo de sua carreira.
Em 1970, ele competiu pela Fórmula 2, novamente dirigindo um Lotus. Em maio daquele ano, ele foi convidado para um teste de Fórmula 1 por Colin Chapman. Impressionado com a performance do brasileiro, Chapman contratou Fittipaldi para se tornar o terceiro membro da equipe Lotus, depois de Jochen Rindt e John Miles. Fittipaldi fez sua estréia no Circuito de Brands Hatch dirigindo um velho Lotus 49, no qual conquistou o 8º lugar. Sua segunda corrida na Alemanha o fez marcar seus primeiros pontos pelo quarto lugar. Nessa temporada no GP de Monza, Jochen Rindt pediu a Emerson para amaciar seu carro para a corrida do dia seguinte, mas Fittipaldi sofreu um acidente destruindo o carro do companheiro e impossibilitando a sua utilização na corrida. O chefe da equipe deixou Emerson de fora da corrida pois Jochen Rindt liderava o campeonato. Rindt iria competir com o carro dele, mas durante os treinos o piloto austríaco faleceu num acidente que poderia ter matado Fittipaldi.


Fittipaldi e a Lotus Campeã em 1972


A temporada de 1971 de Fittipaldi foi interrompida por um acidente de carro a caminho de casa. Seus ferimentos, embora sem risco de vida, contribuíram para sua falta de forma naquele ano. Em 1972, com 5 vitórias, Fittipaldi tornou-se o campeão mundial mais jovem da história da Fórmula 1, recorde que manteve por mais de três décadas tendo sido quebrado em 2005, pelo espanhol Fernando Alonso. Em 1973, ele começou a temporada como campeão do mundo, destinado a outro título. Colin Chapman na esperança de duplicar a super equipe de Jim Clark e Grahan Hill (1967-1968) acrescentou o sueco Ronnie Peterson. A princípio, Fittipaldi pareceu enfrentar esse desafio quando venceu o GP da Argentina e do Brasil. Mas o campeonato se mostrou diferente do planejado. Na França, ele cometeu um erro incomum ao tentar ultrapassar o sul-africano Jody Scheckter, causando uma colisão que encerrou a corrida para os dois carros. Fittipaldi terminaria a disputa pelo título em segundo naquele ano e logo partiria para a McLaren.
Em 1974, Fitiipaldi sagrou-se bicampeão do mundo com três vitórias (uma delas no Brasil). Em 1975 venceu mais duas corridas pela mesma equipe.


McLaren de Fittipaldi do Bi-Campeanato de 1974


Fittipaldi fez a primeira de suas escolhas questionáveis na carreira no final da temporada de 1975, depois de terminar em segundo lugar atrás de Niki Lauda no campeonato. Ele optou por deixar a equipe McLaren em favor da startup Copersucar, fundada por seu irmão, Wilson Fittipaldi, e apoiada pelo cartel de açúcar estatal brasileiro. A mudança marcaria o fim prematuro de seus dias de glória no circuito de F1. Seu carro da Copersucar mostrou-se pouco competitivo e pouco confiável, e ele terminou a temporada em 16º no campeonato em 1976, 12º em 1977, 9º em 1978 e 21º em 1979. Nesse período conseguiu um segundo lugar atrás de Carlos Reutemann da Ferrari, em 1978, no Grande Prêmio do Brasil. Fittipaldi se aposentou do circuito europeu em 1980, com a intenção de administrar a equipe da família, mas a equipe da Fittipaldi Automotive, com falta de credibilidade e capital, deixou de existir em 1982. Ao todo, Fittipaldi disputou 144 GPs, vencendo quatorze.
Ele se juntou à série Indy-Car do Campeonato Americano de Automobilismo (CART) em 1984. Nessa temporada terminou em quinto na sua corrida de estreia da Indy-Car, o Long Beach Grand Prix. Fittipaldi ressuscitou sua carreira de piloto e voltou a competir em tempo integral em 1985 na equipe Patrick Racing. Ele venceu o campeonato CART em 1989 e venceu o Indy 500 em 1989 e 1993. Sua vitória no Indy 500 de 1989 foi considerada uma das finais mais dramáticos da história. Ele e Al Unser Jr. estavam lutando entre si a 320 km / h pelo primeiro lugar nos momentos finais da corrida, quando Unser bateu na parede, deixando Fittipaldi com a bandeira quadriculada. Em 1990, o piloto revigorado ingressou na Team Penske, obtendo sucesso o suficiente para permanecer como membro permanente da equipe até 1995, quando se juntou à equipe reformada da Penske Hogan Racing.


Marlboro Team Patrick - com esse carro Fittipaldi de tornou Campeão da Formula Indy/Cart 1989


Em 1996, Fittipaldi sofreu um acidente no Michigan International Speedway que quase o deixou tetraplégico. Foi necessária uma equipe de neurocirurgiões para reparar a vértebra e a medula espinhal. Logo após o ac idente decidiu por aposentar-se das corridas, mas permaneceu muito envolvido com o automobilismo em seus negócios. Ele é dono da Fittipaldi Motoring Accessories e detém os lucrativos direitos da TV brasileira sobre o CART FedEx Championship Series desde 1985. Como consultor da Chrysler e Well-craft, ele projetou uma lancha de alto desempenho chamado Fittipaldi Scarab. Ele é porta-voz da British Airways, Ericsson, Hugo Boss, Mercedes-Benz e Michelin, entre outros. Ele também possui centenas de milhares de laranjeiras em uma plantação no Brasil. Fittipaldi ficou gravemente ferido em 1997, quando bateu um pequeno avião perto de sua fazenda, mas recuperou o movimento nas pernas. Ele e sua esposa, Teresa, têm casas em São Paulo, Brasil e Key Biscayne, Flórida. Em 13 temporadas como piloto da CART, Fittipaldi faturou mais de US $ 14 milhões em prêmios.


Registros na Fórmula 1


Temporadas:      1970-1980
Equipes:            3 (Lotus, McLaren, Copersucar-Fittipaldi)
GPs disputados: 149 (144 largadas)
Títulos:              2 (1972 e 1974)
Vitórias:             14
Pódios:               35
Pontos:              281
Pole positions:    6
Primeiro GP:      GP da Grã-Bretanha de 1970
Primeira vitória: GP dos Estados Unidos de 1970
Última vitória:   GP da Grã-Bretanha de 1975
Último GP:        GP dos Estados Unidos de 1980


Registros na Champ Car (Fórmula Indy)


Temporadas:        1984-1996
Equipes:              WIT, Team Patrick, Team Penske, Hogan Racing
Corridas:             195
Títulos:                1 (1989)
Vitórias:              22
Pódios:               66
Pole positions:     17
Primeira corrida:  GP de Long Beach 1984
Primeira vitória:   GP de Michigan de 1985
Última vitória:     GP de Nazareth 1995
Última corrida:    GP de Michigan de 1996


Fonte:


https://sports.jrank.org
http://www.grandprixhistory.org
https://pt.wikipedia.org